Apresentando: “Game of Thrones”

January 27, 2012

por: Laís Menini

em: Game of Thrones

Depois de muito tempo, tomei vergonha na cara e ontem comecei a assistir Game of Thrones, que estreou em 2011 e se tornou uma das séries mais badaladas dos últimos tempos. Claro que rolou um certo arrependimento por não ter visto antes, porque ao bater os olhos na primeira cena eu já percebi que o negócio vai ser muito bom. Minha primeira impressão foi muito positiva e, a julgar pela crítica, as segundas e terceiras impressões serão melhores ainda.

A história se passa na era medieval e, claro, tem muita fantasia envolvida. Pelo que eu entendi até agora, o enredo conta a existência de sete reinos em uma terra chamada Westeros, cujo “rei-presidente” está com alguns problemas de governo e tem sua segurança ameaçada. Quem pode ajudá-lo é o rei em quem ele mais confia, Eddard “Ned” Stark (Sean Bean, o Boromir de Senhor dos Anéis), representante do Norte, que é convocado a ser a nova “Mão do Rei”, já que o último nesse cargo foi assassinado morreu.

(A partir daqui não vou citar nomes de mais ninguém (só o do “Duende”) porque eles são super difíceis de memorizar, mas vou contar a história de forma que se torne entendível.)

Enquanto isso, uma mulher branca com um cabelo branquíssimo tem que casar com um selvagem para que o irmão dela possa ser rei em suas terras (já que o selvagem pode montar um exército de 40 mil homens para que o cara possa pegar o trono que, pelo que entendi, é dele de direito) e muita coisa paralela vai acontecendo, como uma das filhas do rei Ned querer se casar com o filho do rei-presidente. Aí, se minhas anteninhas de esperteza estão bem ligadas, os reis vão se degladiar para ver quem vai ser o presidente da terra toda.

O destaque do episódio piloto vai para a família da Rainha principal que é formada por ela, seu irmão gêmeo e outro irmão, Tyrion (interpretado pelo ganhador do Globo de Ouro Peter Dinklage), que apesar de ser um anão ultra safado está longe de ser o personagem mais bizarro desse trio (você vai ver isso nos minutos finais do primeiro episódio).

Pelo que li até agora, muita gente considera Game of Thrones uma espécie de The Sopranos na Terra Média, por ter intrigas capazes de fazer a máfia italiana parecer um joguinho de tabuleiro, além do cenário envolto em mitos e fantasias. Como não poderia deixar de ser em uma série dessa estirpe, podemos esperar muita putaria, nudez e bizarrice sexual. Só vi uma hora de série até agora e já me arrependi amargamente de mandar a temporada para o meu namorado, já que não bastasse o contingente de mulher pelada por metro quadrado nessas terras medievais elas ainda resolveram ser muito bonitas.

Zoações à parte, adorei Game of Thrones, certamente vou seguir e até já tenho os personagens para os quais eu vou torcer – uma pena que um dos mais interessantes do seriado tenha morrido já no primeiro episódio. E entre tantos monstros, dragões e fantasias a única certeza que eu tenho da série é que posso preparar os casacos e cobertas para assisti-la – afinal de contas, “o inverno está chegando”.

Sobre: Laís Menini

Laís Menini é amante do bom futebol, da boa cerveja e criadora do Sérieterapia. Viciada em histórias televisionadas desde sabe-se lá quando, acompanha mais de 40 séries e é igualmente compulsiva com livros. Nas horas vagas, brinca de fazer comunicação na 5seleto e é redatora web.

Comentários:

One Response to “Apresentando: “Game of Thrones””

  1. [...] e lindíssima, a adaptação de roteiro também foi bem bacana. Como era de se prever, meu post de apresentação da série foi todo errado, já que tudo mudou a cada capítulo (como bem avisou o Zé) e o gancho criado para [...]

Leave a Reply

''