As Mulheres de Spartacus*

June 13, 2012

por: Laís Menini

em: Spartacus

Tão subjulgadas na história da humanidade, as mulheres se mostram fortes e poderosas na trama de Spartacus. Lucretia (Lucy Lawless) e Ilithyia (Viva Bianca), com suas armações e mentiras, movimentam muitas peças nesse jogo de xadrez.

Ardilosas, ambas, desde a primeira temporada, manipulam os homens às sua volta (pais e maridos) usando muito charme e sedução, na ânsia por atingir seus objetivos pessoais. Foi Ilithyia que, para se vingar de Lucretia (após essa promover um encontro carnal entre ela e Spartacus), ajudou, sem pensar nas consequências, o início da rebelião dos gladiadores no ludus de Batiatus (John Hannah) – o que resultou na carnificina mostrada no último episódio da primeira temporada.

Lucretia, por sua vez, estimulava a ambição do marido, que desejava maior reconhecimento entre os romanos e posição política. Muitas mortes praticadas por Batiatus e seus escravos foram maquiavelicamente sussurradas da língua venenosa da vilã, que faz qualquer coisa para conseguir o que deseja.

Ilithyia e Lucretia se superam a cada novo episódio em suas maldades, mentiras e falsidade. Ambas se usam para conquistar seus objetivos, alternando momentos de ódio e amor na relação que construíram. Escrúpulo é uma das inúmeras palavras que não existem em seus vocabulários. Muitas foram suas vítimas até aqui. Quando é necessário elas botam a mão na massa, sem piedade, e executam suas presas.

E como não falar de Sura (Erin Cummings)? Mulher de Spartacus, que mesmo morta – e aparecendo em poucos episódios – é o motor que dá força ao guerreiro para manter-se vivo e consumar sua vingança. Parte dela já alcançada com a morte de Batiatus, mas ainda falta descarregar toda sua ira sobre Glaber (Craig Parker), o homem que o separou de sua esposa.

Mellita (Marisa Ramirez), mulher de Oenomaus (Peter Mensah) e antiga escrava de Domina Lucretia, é outra personagem forte nessa história. Foi obrigada a manter relações sexuais com Gannicus, mais que um amigo (chamado por irmão) de Oenomaus, para satisfazer os interesses escusos de seus donos que desejavam um lugar de destaque nos jogos (lutas) promovidos por Varro (Jai Courtney).

Naevia (Cynthia Addai-Robinson) impulsionou Crixus (Manu Bennett) em seu caminho após conquistar a liberdade. Enquanto não a reencontrou, escravizada em uma mina, Crixus não se entregou totalmente à rebelião promovida pelos gladiadores. Na segunda temporada Naevia vem passando por uma grande transformação, deixando de ser uma mulher fragilizada, assumindo o papel de uma guerreira.

Outra mulher que se mostra guerreira é Mira (Katrina Law). Conseguiu conquistar o afeto de Spartacus e enfrenta grandes batalhas ao lado dele com companheirismo e fidelidade não demonstrados por qualquer outro, mesmo sabendo que nunca será amada pelo trácio como fora um dia Sura.

Por mais que as estratégias e comandos estejam nas mãos dos homens são as mulheres que, sutilmente, norteiam o caminho da guerra travada entre romanos e rebeldes.

*Quem assina a análise sobre as mulheres de Spartacus é a Viviane Rodrigues.

Sobre: Laís Menini

Laís Menini é amante do bom futebol, da boa cerveja e criadora do Sérieterapia. Viciada em histórias televisionadas desde sabe-se lá quando, acompanha mais de 40 séries e é igualmente compulsiva com livros. Nas horas vagas, brinca de fazer comunicação na 5seleto e é redatora web.

Comentários:

Leave a Reply

''