Grey´s Anatomy – E se?

fevereiro 9, 2012

por: Laís Menini

em: Grey´s Anatomy

*Contém spoilers do episódio S08E13: “If Then”

Todo mundo já se fez, pelo menos uma vez na vida, a pergunta “e se?”. E se eu tivesse conhecido pessoas diferentes, ter feito algo diferente ou até caído em uma família diferente? Não saber as probabilidades de um fato levam muita gente à reflexão.

E após eu a ter colocado no cantinho do castigo, Shonda Rhimes nos brindou em Grey´s Anatomy com um episódio inteiro de “e se”. Ou melhor “If Then” – esse é o nome do episódio que mostra como seria a vida do elenco principal se Meredith não fosse melhor amiga de Critina, se Ellis Grey não tivesse morrido, se Derek e Addisson estivessem juntos, se Richard tivesse escolhido a amante ao casamento, se Bailey não tivesse aprendido a levantar a voz pros outros e assim por diante.

O episódio começa com um Karev simpático, otimista e noivo de Meredith, uma April amigona (mas ainda virgem), um Avery avulso (como sempre), uma Cristina meio autista / meio bizarra… fora que os roteiristas deram à Mini Grey a personagem mais divertida dessa corrente de probabilidades. “If Then” ressuscita – literalmente – alguns mortos ao citar O´Mailley e Izzie, além de marcar um breve retorno de Charles (aquele agregado do Mercy West que morreu no tiroteio no Seatlle Grace), sempre apaixonado por April.

No decorrer dos acontecimentos da realidade paralela, Karev trai Meredith com April, acabando com o relacionamento, Derek descobre que Addisson está esperando um filho de Sloan, Bailey descobre um porém que impossibilita a grande cirurgia de Ellis Grey e Richard se vê diminuto mediante a mulheres que querem aparecer mais do que todo mundo. Destaque do episódio para Torres, heterossexual e com três filhos de Owen (oi?), que desenvolve, mesmo assim, certo interesse por Arizona. O episódio termina com Meredith e Derek chorando as pitangas no mesmo bar em que se conheceram na realidade “original”.

Tiro Shonda Rhimes do cantinho do castigo por um motivo muito nobre: o escancaramento da aceitação. O que o episódio nos ensina é que não importa quantas voltas a vida tivesse que dar por aí, nosso lugar é exatamente onde estamos agora. Nada poderia ter sido melhor, mesmo porque nós fazemos nosso destino e, queiram ou não os pessimistas, o destino de todos nos é dar certo em algum ponto da trajetória. É preciso aceitar onde estamos e entender que mudar o passado só é impossível por uma razão: muita coisa daria errado se alguém tentasse ser diferente do que foi.

Mais do que tudo isso, o episódio nos mostra que é muito fácil perguntar “e se”. Difícil mesmo é encarar o resultado de uma possível outra realidade.

Sobre: Laís Menini

Laís Menini é amante do bom futebol, da boa cerveja e criadora do Sérieterapia. Viciada em histórias televisionadas desde sabe-se lá quando, acompanha mais de 40 séries e é igualmente compulsiva com livros. Nas horas vagas, brinca de fazer comunicação na 5seleto e é redatora web.

Comentários:

Deixe uma resposta

''